brasil

As empresas e a grande festa social

Edm2 Midias sociais

As empresas precisam participar da grande festa social

As empresas precisam estar presentes nas redes sociais. Isto é fato. Mas apenas estar presente não basta. A questão é aprender a lidar com as redes sociais e saber interagir com o seu público. Nesse ponto, pesquisas apontam que poucas empresas sabem utilizar as novas tecnologias.

Nas redes sociais, qualquer publicidade deverá levar em consideração a integração ao meio, estabelecendo  vínculos com as pessoas, conhecendo o seu público, para poder atingi-lo de forma adequada, com uma comunicação transparente e personalizada, que agregue valor .

As empresas precisam estar presentes onde o seu público está, usar os recursos e aplicativos que as novas tecnologias disponibilizam para enriquecer suas marcas e vender seus produtos. Podemos afirmar que uma marca não existe se ela não for vista. Com o crescimento das redes sociais, é preciso adequar a estrutura e acompanhar o movimento, como participante de um evento social. Se a empresa foca massivamente seu objetivo de vender, acaba transmitindo uma imagem negativa e grosseira. Há também aquelas que criam lindas vitrines, mas ficam estagnadas, apenas esperando acessos. Isso não funciona nas redes sociais, pois as pessoas querem interagir e opinar.

Essa integração também deve ser interna, com o alinhamento e a participação dos profissionais envolvidos no negócio colaborando na formação desse ambiente social. É preciso também aprender a lidar com comentários negativos. Quando isso acontece, a tendência é silenciar, o que acaba gerando um conflito ainda maior. Ser transparente e dar a atenção devida é muito importante para fortalecer a confiança e estreitar relacionamentos.

As mídias sociais são canais que envolvem milhares de pessoas e é preciso estar presente.  Saber transmitir sua mensagem é o foco principal para valorizar sua marca e produtos. E, se não sabe como fazer, fale com a gente:  http://www.edm2.com.br/empresa/faleconosco

Empresas e seus riscos nas mídias

O Brasil é reconhecido como um dos países mais sociáveis do mundo e reflete isto sendo uma grande potência nas mídias sociais. As marcas nacionais, no entanto, não se igualam à média global na questão de como utilizar as plataformas da melhor maneira para atingir o consumidor online.
Ainda existe um receio das mídias sociais no Brasil. Aqui se criou um mito de que as redes só servem para fazer entretenimento e humor, o que restringe o público. Nas empresas globais elas são tratadas seriamente, como algo que agrega valor ao negócio e não apenas para ativar produtos.

No Brasil os assuntos abordados e postados nas mídias são específicos ao público que a empresa quer atingir, mostrando que os brasileiros estão atentos à realidade dos seus clientes, já que usamos muito as redes sociais. O ponto mais importante, no entanto, é se este conteúdo é relevante.
Mostraremos a seguir 9 passos para a sua marca se tornar social e ter sucesso na internet:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

1° – A mensagem importa tanto quanto o meio
Foque em conteúdo específico e bem elaborado
2° – Coloque sua marca em movimento
Busque estar presente em todos os canais, mas sem perder o foco.
3° – Integre ou morra
As mídias sociais devem ser trabalhadas pela organização como um todo e não isoladas
4°- Coloque o social no centro
O ideal é ter  uma área especializada no trabalho com redes sociais.
5°- Ouça mais fale menos
Aprenda com o que é falado nas mídias e transforme isto em ação
6°- Engajamento precisa valer a pena
Medir a efetividade da estratégia é essencial
7°- Pense Global
No caso das redes sociais, as ações devem ser mais globais e menos locais.
8°- Conte com o de fora
Aposte em ajuda externa na gestão das  mídias sociais.
9° – Fique alerta: os riscos existem
Esteja preparado para críticas e questões como privacidade

 

Fonte: MundodoMarketing

Internet supera jornais

A internet superou os jornais e assumiu o posto de segundo meio preferido para investimentos publicitários no Brasil no primeiro quadrimestre do ano. A participação de portais de notícias, sites de busca e de comparação de preços no período alcançou 11,98% das receitas totais. Os jornais impressos ficaram com 11,06% de um bolo publicitário estimado em R$ 6,5 bilhões.

Ao se consolidar como a segunda maior mídia do Brasil, a internet confirma a rápida ascensão, na esteira da popularização da banda larga: no início de 2010 ela recebeu mais investimentos de publicidade que as TVs a cabo e as rádios e no final daquele ano superou o meio revista. Agora, ao passar os jornais, ela perde apenas para a TV aberta, líder com 60,63% do mercado total de publicidade.

Os dados são do IAB-Brasil, associação que reúne os principais sites e portais de internet do país, além de empresas de tecnologia e agências voltadas ao meio digital. Eles confirmam uma irreversível tendência mundial. Lá fora, em todos os grandes mercados nos quais a banda larga atingiu mais de 40% da população, as verbas publicitárias passaram a migrar de forma acelerada para a internet. Foi assim no Japão, Inglaterra e Estados Unidos, países nos quais a mídia digital responde de 20% a até mais de 30% do bolo publicitário total.

No Brasil, a internet alcança atualmente 82,4 milhões de pessoas com mais de 16 anos de idade. Ou seja, os quase 12% de investimentos registrados no primeiro quadrimestre indicam também que, se um patamar importante foi alcançado ao superar os jornais, o Brasil, apesar de já ter uma penetração de internet semelhante a de países desenvolvidos, ainda tem espaço para chegar aos mais de 20% de share.

“O investimento publicitário na internet vem crescendo de 35% a 40% ao ano”, explica Ari Meneghini, diretor executivo do IAB Brasil. E esses percentuais não incluem os crescentes investimentos em publicidade em mídias sociais e parte do mercado de anúncios classificados, acrescenta.

O cálculo feito pelo IAB Brasil para estimar a participação do meio internet no conjunto do bolo publicitário leva em consideração principalmente investimentos feitos em sites de busca, em site de comparação de preços e em displays de grande portais de notícia. O termo display é usado no mercado para denominar um conjunto de 146 formatos padrão de anúncios, que inclui desde banners tradicionais até vídeos publicitários de poucos segundos veiculados antes dos vídeos de conteúdo.

No Brasil, no ano passado, os investimentos em displays, contabilizados pelo projeto Intermeios, somaram R$ 1,45 bilhão. Em sites de buscas e comparação de preços foi investido outro R$ 1,88 bilhão, segundo levantamento realizado pelo próprio IAB Brasil junto a companhias como Google, Yahoo! Brasil, MSN e Buscapé.

Fonte: IG, acessado em 23 de Outubro de 2012 as 00:57AM.
Veja a reportagem completa

 Topo