Monthly Archives: setembro 2016

Aprenda a criar um perfil do Instagram para Negócios

No mês passado o Instagram anunciou novas ferramentas para negócios (Instagram Business / Instagram para Negócios). Com isso, as empresas poderão não só criar páginas especiais, mas compreender melhor os seus seguidores e fazer crescer os seus negócios online. De acordo com a rede social, as ferramentas estarão disponíveis de maneira gradual nos EUA, Nova Zelândia e Austrália. Nos demais países, incluindo o Brasil, estará disponível ao longo dos próximos meses.
Com as novas ferramentas para negócios empresas de qualquer tamanho podem ser reconhecidas com um perfil muito parecido com a fanpage no Facebook, obter insights sobre os seguidores e posts. Também promoverá mensagens para conduzir os objetivos de todos os negócios dentro do Instagram.

Isso significa que os clientes podem ver a informação valiosa em seu perfil como o seu endereço comercial, informações de contato e links do seu site. Em relação aos insights o Instagram para negócios irá mensurar as informações sobre quais mensagens têm melhor desempenho, em que dias da semana e os horários são melhor para postar o conteúdo da sua empresa. De quebra também uma série de informações demográficas de seus seguidores.
Além disso, o Instagram também habilitou um mecanismo que facilita a promoção de qualquer mensagem compartilhada pelo seu perfil de negócio. Assista o vídeo abaixo e veja com mais detalhes o que mudou e como usar essas ferramentas.
Lembre-se algumas opções ainda não estão disponíveis no Brasil!

O que é Mobile-First?

Você sabe o que é Mobile-First? A era da tecnologia está aí. Não é mais novidade que os dispositivos móveis ultrapassaram os desktops. O uso do 3G cresceu 123% nos últimos 18 meses. Quase metade dos internautas possuem smartphones, sendo que 62% deles têm mais de 25 anos. São mais de 48,3 milhões de usuários pertencentes a classe C. Esta, cresceu 204% em menos de uma década, enquanto a população total cresceu 10%. Mais um dado sobre a classe C: Ela movimenta mais de 495 bilhões de reais em renda própria por ano. Isto é inclusão digital.

Não estou falando dos smartphones que custam R$1500, mas sim dos modelos que usam teclados qwerty e custam R$ 200. Incluir a “massa”, é inclusão digital de verdade.

A grande sacada do momento é o Mobile-First

Se você entendeu os dados citados na introdução desta matéria,  você vai entender que o conceito do Mobile First faz muito sentido, mas vai contra toda uma tradição de desenvolvimento de sites que você está acostumado. A ideia do Mobiles First é que comecemos a desenvolver e planejar projetos web, desde um pequeno site até um grande sistema, primeiramente para dispositivos móveis e somente depois para desktops/notebooks. O caminho era site → adaptação mobile (Mobile Friendly).

Hoje, quem trilha esse caminho ~tradicional~ fica para trás.

Mobile First como funciona

Diferenças do Web Design e o responsivo

A experiência deve ser pensada primeiro para Mobile e o site ser algo à parte dessa experiência. Por isso do termo “Mobile-First” ou “Móvel primeiro”.

Quais as funcionalidades que devem aparecer primeiro na UX do mobile?

O comportamento do consumidor está repleto de “micro momentos” e a UX diz muito sobre isso.  Do momento da primeira pesquisa, contato com o produto, até a decisão de compra e a etapa de fidelização da empresa. São vários momentos. Eis os principais:

See: A audiência está navegando e é impactada por algum conteúdo da empresa despertando a 1ª interação com a marca. Seja ele um vídeo, uma matéria de blog ou afins.

Think: A idéia é reforçar a marca – branding – com seu futuro consumidor. O conteúdo é um pouco mais focado, ainda sem interação de compra. A ideia, mais uma vez, é envolver o seu consumidor. Iniciar a ideia de conversão. Essa etapa deve conter uma micro-conversão).

Do:  O propósito é fechar uma venda, completar alguma etapa/meta importante para o seu negócio. Isso pode ser desde o preenchimento de um formulário de contato até uma venda no seu ecommerce. Você precisa aparecer primeiro, dar ao consumidor o que ele quer e receber o dinheiro em etapas simples e objetivas.

Care: Se o consumidor retorna, ele é seu maior bem. O foco é fazê-lo se sentir especial, bem tratado e com benefícios exclusivos. Isso pode estar em uma estratégia de retargeting ou num disparo de news letter direcionado em especial para ele, com enfoque no comportamento de compra de cada indivíduo (Big Data).

O fato de colocar mobile em primeiro lugar – Mobile First, sacou? 😉 – desfrutamos de uma série de vantagens:

Capacidades técnicas – O uso de acelerômetro, GPS, multitouch, giroscópio, etc.  Tudo isso é proporcionado pela experiência mobile e impossível de acontecer pelo desktop.

Foco – A informação para esta platatorma é diferente do desktop. Pense em como a atenção e conversão do seu público devem ser diferentes nesse ambiente. Informações diretas/precisas, call-yo-action com destaque, menus curtos, atalho para home, campo de busca visível, recursos de busca inteligentes, e por aí vai. Basicamente, Usabilidade e Acessibilidade são as palavras que regem o projeto. A arquitetura da informação, informações que você previa no desktop precisam ser remanejadas, diminuidas e retrabalhadas para que se adaptem nas telas menores. A maioria dos celulares tem algo em torno de 320×480 pixels. Se não tomarmos cuidado, toda a informação pode se perder em uma tela tão pequena. No mundo mobile o simples é a palavra que manda.

É preciso fazer um estudo e chegar a um modelo de aplicação do seu site na plataforma mobile. Uma das alternativas é o menus dropdown. Veja um exemplo:

Diferença email - mobile first
Uma dica para saber as áreas mais acessadas do seu site, antes da construção da experiência mobile, é instalar através do seu Google Analytics uma ferramenta que monitora pelo tempo que você estabelecer os hot spots do site.

Agora, com todas essas dicas, tá mais do que na hora de sair da era jurrássica e vir para a modernidade por que, afinal, Mobile-First, B***! 😉

Como minha empresa pode vender mais?

Como vender mais

Reprodução Giphy

Não é de hoje que o maior patrimônio de uma empresa são seus colaboradores e a forma como ela se posiciona para seus consumidores e público-alvo.
Nos últimos anos avaliando e ajudando algumas empresas a conquistarem seu espaço, tenho percebido que muitas delas se preocupam muito com o quando precisam “gastar” para promoverem sua marca. Mas a maioria dessas empresas esquecem que o principal combustível para o sucesso não é o quanto ela possui de valores/dinheiro para conquistarem seu espaço, mas o quanto estão dispostas a inovar com seus produtos/serviços e com seu atendimento.

Abaixo vamos falar um pouco mais dessas questões. Se você seguir as dicas e ajustar ao seu modelo e negócios, vai entender que a receita para o sucesso estava em suas mãos tempo todo.

Como posso vender mais?

se relacione com o seu cliente sem medo

Se relacione com o seu cliente sem medo

É o relacionamento, e não o preço. Quais são as formas que você tem criado para construir relacionamentos?

Abaixar o preço dos produtos e serviços não é o suficiente, pelo contrário, você prejudica seu setor e acaba criando uma demanda instável para sua empresa, pessoas que compram apenas por preço possui uma tendência de trocas. Fidelize e conquiste seus clientes de maneira inovadora e criativa. Ofereça prazos, qualidades e principalmente suporte para dúvidas. Cuide do seu cliente como gostaria que cuidassem de você.

 

Converse com seus clientes

Converse com seus clientes

– Construa sua reputação, porque é por ela que você se tornará conhecido. O que as pessoas dizem sobre você quando não está presente?

Você monitora todas as suas ações? Tem conversado com seus clientes em potencial? O que eles dizem nas mídias sociais, através de e-mails ou telefone? Temos casos frequentes de empresas que constroem sua marca através de relacionamentos. Estava eu com alguns amigos tomando aquele Chopp gelado, quando surgiu o assunto “preciso reformar meu apartamento”. Não sei se isso já ocorreu com você, mas reformas nunca são agradáveis, mas um deles tinha acabado de passar por uma fantástica experiência de compra com uma empresa no setor de reformas em geral. Me contando sobre sua experiência, qualidade de produtos e matérias e atendimento, não tive dúvidas nenhuma que essa empresa seria a empresa responsável pela minha reforma. Percebe que os negócios estão sendo feitos a todos os momentos. Quanto essa empresa teve que investir para me ter como cliente? Estamos falando de 100% de lucro por indicação e por seu excelente processo no atendimento.

seja diferente e surpreenda-se!

Seja diferente e saia do cliché

– Crie uma diferença REAL (e percebida) entre você e os outros. O que é memorável em você? O que você tem de diferente dos outros?

Com o avanço da tecnologia e acessos as informações através de vários canais digitas, o consumidor mudou sua maneira de pesquisar e seus hábitos de consumo. Com isso várias empresas foram perdendo seu posicionamento e sua lucratividade foi diminuindo. O investimento maciço em mídias e propagandas em massa não surtiam efeitos e o natural era se desfazer das pessoas. Mas quanto tempo você dispõe para reciclagens? Quantas vezes por semana você e sua equipe fazem reunião e reciclagem?

Entenda a importância desses questionamentos e busque sempre entender os motivos que levam seus clientes comprarem de seus concorrentes, entenda os motivos de tantas perdas na equipe comercial. Seja eficiente na hora de reciclar e atender seus clientes. Deste modo não vai mais sofrer com as constantes crises econômicas que ocorrem no mundo.

Siga grandes marcas líderes em seus setores e tenha sempre em mente que inovar é mais fácil e barato que criar.

Entenda o erro na métrica de vídeos do Facebook que deu o que falar

Facebook vídeos

Reprodução: Facebook.com

O Facebook acabou divulgando em um post do seu Centro de Ajuda do anunciante, há algumas semanas atrás que a estatística dos vídeos de propagandas não separava dos números finais pessoas que assistiram o vídeo por menos de 3 segundos ocasionando um número muito inflado de espectadores desses vídeos patrocinados. Mas o porquê de tanta comoção em relação a esse erro? Muita gente começou a contestar os resultados das demais propagandas do Facebook gerando uma verdadeira crise de confiança em relação as campanhas veiculadas na rede social.

A divulgação tem perturbado os anunciantes que compram tempo de vídeo no Facebook, em parte, em torno das que métrica que segundo o Wall Street Jornal estão erradas faz 2 anos.

“Dois anos de relatar números de desempenho inflado é inaceitável”, disse um anunciante do Facebook.

A métrica que foi afetada por esse erro de cálculo do Facebook é chamado de “Average Video Views” que para o português se refere a “duração média do vídeo exibido”. Depois da grande repercussão desse erro o Facebook está substituindo essa estatística com uma medida chamada “Average Watch Time” ou Tempo médio assistido. Veja abaixo o comunicado do Facebook referente a esse erro:

“Nós recentemente descobrimos um erro na forma como calculamos uma das nossas métricas de vídeo”, disse o Facebook em um comunicado. “Este erro foi corrigido e notificamos todos os nossos parceiros, tanto através dos nossos dashboards de produtos. Nós também renomeamos a métrica para tornar mais claro o que medimos. Esta métrica é uma das principais opções que nossos anunciantes utilizam para avaliar as suas campanhas de vídeo “.

O executivo de marketing do Facebook publicou um post respondendo a notícia do Wall Street Journal nessa última sexta-feira.

“Este texto não é apenas sobre este erro” Fischer escreveu. “Isto é sobre quão seriamente nós levamos o compromisso de nossos parceiros para nossa plataforma, e como os seus investimentos com a gente inteiramente dependem da transparência com que nos comunicamos. Sabemos que não podemos ter verdadeiras parcerias com os nossos clientes a menos que façamos o que é certo sendo aberto e honesto com eles, inclusive quando cometemos erros como este. A confiança dos nossos clientes em nossas métricas é essencial para nós e temos que ganhar essa confiança. “

Os anúncios em vídeo são um grande negócio no Facebook. E gera bilhões de dólares em receita todo o ano para a plataforma.

Mas a pergunta que fica é, será que todo esse dinheiro iria para o Facebook se os resultados das métricas de vídeos fossem diferentes?

Facebook tem empurrado vídeo nos últimos anos, em ambos os seus algoritmos e através de plataformas como o Facebook Live. Um executivo do Facebook em junho disse que a rede social será “toda em vídeo” em cinco anos.

Referências:
https://techcrunch.com/2016/09/22/facebook-miscalculation-significantly-inflated-average-video-view-times-for-years/
http://www.wsj.com/articles/facebook-apologizes-for-video-metric-miscalculation-1474641054

Como fazer um plano de marketing?

Plano de Marketing

Reprodução: Freepik

Para que a sua empresa cresça nos dias de hoje se tornou fundamental possui um plano de marketing, mas em muitos casos nos deparamos com uma grande dificuldade por onde começar, muita gente enxerga o plano de marketing como algo muito complexo e difícil de se fazer as vezes pelo fato do marketing estar em constante evolução, falta de conhecimento, tempo e até mesmo não entender de fato para que serve o plano de marketing. O plano de marketing é o caminho que a sua empresa precisa definir para crescer!

Para que serve um plano de marketing afinal de contas?

Podemos comparar o plano de marketing como um mapa onde identificamos todos os aspectos da comercialização de produtos e serviços e também o posicionamento da comunicação da empresa. O plano de marketing é utilizado para identificar o seu público alvo, como alcança-los e como fazer com que eles comprem seus produtos e serviços. Para crescer o seu negócio, você precisa de um plano de marketing.

Quando feito corretamente o plano de marketing será um roteiro para que a sua empresa possa vender mais e crescer de maneira efetiva.

Quais são os ingredientes básicos de um plano de marketing?

  • 1) Introdução ou Executive Summary

A introdução ao seu plano nada mais é que uma visão geral que orá resumir as etapas de seu plano, pense que é um direcionamento para que qualquer pessoa possa compreender o que compõe o seu plano.

  • 2) Clientes do alvo

Nessa parte do planejamento detalhamos quem são os nossos clientes como dados demográficos (idade, sexo e etc.), perfil psicológico (interesses, afinidades, desejos e etc.) e os seus desejos precisos e necessidades. Além disso detalha de como o seu cliente se relaciona com os produtos ou serviços que a sua empresa oferece.

Ser capaz de identificar claramente seu público-alvo vai auxiliar a definição de canais de publicidade para que a sua empresa esteja onde o seus clientes estão. Além de interagir melhor com o seu potencial cliente o fato de afunilar e identificar o seu potencial consumidor diminui o gastos com a divulgação e aumenta o retorno de seu investimento.

  • 3) Definição da USP ou Unique Selling Proposition

Possuir uma proposta única de venda (USP) é fundamental para distinguir o seu produto ou serviço da concorrência, a USP nada mais é que uma frase que destaca o que a sua empresa ou o seu produto tem de diferente.

Exemplo: a USP da FEDEX: “Quando tem que estar lá, estará lá”.

Outro exemplo: a USP do Correios: “Em todos os municípios do Brasil”.

Lembre-se: USP não é Slogan! A diferença entre a USP e o Slogan é que o slogan é baseado na sua USP e consiste em uma frase que compõe o logo da sua empresa e de fácil recordação.

Exemplo Slogan: Bradesco – COMPLETO.

Outro Exemplo: Coca-Cola – Abra a felicidade.

  • 4) Estratégia de Preço voltada para posicionamento

Sua estratégia de preços e posicionamento devem estar muito bem alinhados. O preço é uma forma muito importante de posicionamento e pode influenciar diretamente o que as pessoas pensam sobre o que você oferece. Dentro do marketing o valor percebido nada mais é que os benefícios e o preço que um produto ou serviço oferece o valor percebido é positivo quando o cliente percebe que fez um bom negócio. Manter o cliente satisfeito é fundamental principalmente na hora de precificar.

Nesta seção do seu plano de marketing, descreva como o seu preço vai apoiar o posicionamento que você deseja para a sua empresa.

  • 5) Plano de Venda ou Distribuição

Essa parte consiste em determinar como você venderá seu produto ou serviço, será por qual canal? Por um website, pelo Facebook? Através de representantes? Como que a venda será feita? Pense em diversos canais para vender o seu produto ou serviço.

Para finalizar um plano não pode faltar um objetivo principal de marketing, o objetivo de marketing não consiste apenas em vender mas também em estabelecer metas que nem sempre estão alinhadas a vendas. Por exemplo o conhecimento da marca, tornar-se popular, ser líder em atendimento entre outros. Mas um plano de marketing bem feito vai muito além dos itens acima, a proposta dessa postagem é mostrar itens que não devem faltar em seu plano de marketing. Pare, estude e pense como a sua empresa quer ser vista pelo mercado? Pense nisso e coloque o seu plano para funcionar os resultados podem ser surpreendentes.

 Topo